Há 64 anos – a libertação de Auschwitz I, II e III

Há 64 anos, precisamente no dia 27 de Janeiro de 1945, as tropas soviéticas descobrem o campo de extermínio de Auschewitz-Birkenau. São acolhidas por 7 mil sobreviventes. Nesse dia, o mundo descobre o Holocausto em todo o seu horror. Só no campo de Auschwitz, onde serviam 3000 SS sob o comando de Rudolph Höss, chega-se em 1944 a exterminar e queimar os deportados ao ritmo de 600 por dia. Um médico diabólico, Josef Mengele, tornou-se célebre praticando neste campo experiências intoleráveis sobre os deportados, que incluem judeus, ciganos e resistentes antifascistas. Entre dois a quatro milhões de pessoas foram mortas em Auschwita durante a 2ª Guerra Mundial. Um dos maiores dramas desta situação é que os Aliados possuiam entre 1940 e 1943 numerosas informações sobre este campo mas consideraram-nas exageradas. Mesmo a uma fotografia tirada acidentalmente de reconhecimento aéreo deste campo não foi prestada a devida atenção. O dia 27 de Janeiro foi depois consagrado como o Dia Internacional da Memória do Holocausto.


O primeiro forno crematório

As escadas da morte

Sobreviventes confraternizam
com os soldados soviéticos

Poema de Primo Levi
na aberturo do seu livro
Se questo è um uomo (1947)

Voi che vivete sicuri
Nelle vostre tiepide case,
voi che trovate tornando a sera
Il cibo caldo e visi amici:
Considerate se questo è un uomo
Che lavora nel fango
Che non conosce pace
Che lotta per mezzo pane
Che muore per un sì o per un no.
Considerate se questa è una donna,
Senza capelli e senza nome
Senza più forza di ricordare
Vuoti gli occhi e freddo il grembo
Come una rana d’inverno.
Meditate che questo è stato:
Vi comando queste parole.
Scolpitele nel vostro cuore
Stando in casa andando per via,
Coricandovi alzandovi;
Ripetetele ai vostri figli.
O vi si sfaccia la casa,
La malattia vi impedisca,
I vostri nati torcano il viso da voi.

Artigo de VD – original em tempo das cerejas

1 Comment

  1. A “Casa Viva” no Porto vai exibir o filme sobre a Palestina: Valsa de Bashir.

    praça marquês de pombal, 167 Porto
    casa-viva.blogspot.com

    matiné comunitária
    sábado, 21 fevereiro 16h30 entrada livre
    2ª sessão mensal de cinema comunitário; Palestina 2ª parte:
    A Valsa com Bashir, de Ari Folman
    [em Hebraico, com legendas em Português, 90′]

    Em Junho de 1982, Israel invade o Líbano e dá início àquela que foi chamada a primeira guerra do Líbano. Depois de dois meses de incessantes bombardeamentos, é finalmente negociado o retiro das tropas israelitas de Beirute. No ano seguinte, como represália pelo assassinato do adorado líder Bashir Gemayel, as milícias libanesas invadem os campos de refugiados palestinianos de Sabra e Shatila e massacram os civis, um ataque em área controlada pelo exército israelita e com conhecimento do mesmo.

    A Valsa com Bashir é um filme de animação realizado por um ex-militar israelita que combateu nessa guerra, com história baseada em dados biográficos:

    “Uma noite num bar, um velho amigo de Ari Folman fala-lhe de um pesadelo recorrente no qual é perseguido por 26 cães enraivecidos. Todas as noites a mesma quantidade de monstros. Os dois homens chegam à conclusão que há uma ligação com o exército israelita, durante a sua primeira missão na primeira guerra do Líbano no início dos anos 80. Ari fica surpreendido pelo facto de já não se lembrar de nada desse período da sua vida. Intrigado pelo enigma, decide entrevistar velhos amigos e camaradas por todo o mundo. Ele precisa de descobrir a verdade sobre essa altura e sobre ele próprio. Enquanto Ari se envolve cada vez mais no mistério, a sua memória começa lentamente a despertar imagens surreais…”

    Título Original Waltz With Bashir (Israel/Alemanha/França/EUA, 2008)
    Realização Ari Folman
    Argumento Ari Folman
    Intérpretes Ari Folman | Ron Ben-Yishai | Ronny Dayag
    Animação David Polonsky
    Música Max Richter
    waltzwithbashir.com

Leave a Reply

© 2018 E. Balsa

Theme based on hemingway and unoUp ↑

%d bloggers like this: